O protagonista de Egomaníaco, de Vi Keeland, não tem nada de autocentrado

Comecei a ler Egomaníaco, da Vi Keeland (Editora Charme) pensando que seria mais um daqueles romances fofinhos onde o cara é arrogante, a mulher tem personalidade forte,  e no fim das contas, eles acabam cedendo e vivendo felizes para sempre (Nada contra! Aliás, adoro esse formato). É mais ou menos isso, não vou negar, mas me surpreendi com o protagonista.

Drew Jagger é um advogado especializado em divórcio. Um perfil comum para um personagem que  faz aquele combo bonito + rico + arrogante. Só que apesar de suas leves brigas com Emerie, uma psicóloga que caiu em um golpe e alugou o escritório do Drew que não estava disponível no mercado, ele é mais complexo do que isso.

capa egomananic

O relacionamento deles é daqueles que começa platônico e se torna algo a mais, naturalmente. Mas é um acontecimento do passado de Drew que mostra quem ele realmente é: preocupado, nada egoísta e dedicado as pessoas que ama.

Sim, ele tem um pouco de egomaníaco, mas acredito que nessas 300 páginas o que me chamou mais a atenção foi seu lado humano.