O Diário de Anne Frank em quadrinhos é triste como o original

Não tem um jeito bom de contar a história de Anne Frank. A vida dessa jovem judia que se escondeu por um longo período do tempo dos nazistas é, e acredito que sempre será, uma das mais tristes que já li. O que tem é como mergulhar em seu diário de uma forma diferente.

O Diário de Anne Frank em quadrinhos, ilustrado por Mirela Spinelli, da Editora Nemo, nos coloca mais uma vez em meio à guerra que conhecemos com a narração dos diálogos francos que Anne tinha com seu diário.

Falta de comida, ansiedade, depressão, cansado, medo… Esses são só alguns dos sentimentos que ela (e sua família) sentiam durante o tempo que passaram no esconderijo. Nunca serei capaz de entender o tamanho da maldade que fizeram com essas pessoas.

46458380.jpg

Por quê? Pra quê? São perguntas que me faço até hoje, sem conseguir entender como alguém (ou um regime) tem coragem de fazer tão mal a outros seres humanos. Só porque eles não têm sua religião… E como outros concordavam com isso?

Fui obcecada  por essa parte da história quando estudei a Segunda Guerra Mundial na escola. Li vários livros sobre o assunto (inclusive, tenho algumas versões do diário da Anne), mas toda vez que volto a reviver esses acontecimentos não consigo controlar a sensação de tristeza que pesa no meu peito.

Leia também:

Sheryl Sandberg te ajuda na hora de enfrentar adversidades com o livro “Plano B”

Você já conhece Amor e Amizade, de Jane Austen?

Deixados para Trás é uma história com um duro golpe do destino

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s